terça-feira, 9 de abril de 2013

A criança em idade pré-escolar

Google - sem informação de autoria

Por Fabíola Machado Guedes, Josiele Luana Morais, Lisiane Dias da Cruz, 
Luciane Langer Pastorini Lima e Natasha de Mattos dos Reis


O período do desenvolvimento compreendido entre o 3º e o final do 5º ano de vida é chamado de idade pré-escolar. Nesta fase, a criança conquista importantes habilidades, principalmente em relação à linguagem e à socialização, o que contribui para que se torne mais independente e com capacidade de afirmar sua personalidade de forma única e peculiar.
No início do período, a criança já é capaz de compreender e expressar sentimentos mais complexos, como amor, tristeza, ciúmes e inveja, tanto no âmbito verbal como não verbal. Além disso, demonstra preocupação em ter a aprovação das pessoas que lhe são queridas: seus pais e cuidadores. Na fase final, a criança mostra-se apta para enfrentar desafios cada vez mais complexos no que se refere ao convívio social, já que domina tarefas primárias de socialização, como controlar os esfíncteres, vestir-se e alimentar-se sozinha, além de suas emoções estarem mais estáveis.
Segundo a teoria psicanalítica, a primeira fase do desenvolvimento é marcada pela importância da oralidade. Um pouco mais adiante, entre 18 meses 24 meses de idade, o controle do próprio corpo (esfíncteres) coincide com um grande desejo de controle do mundo e busca de autonomia, o que caracteriza a fase anal. Na faixa de dois a três anos, a criança começa a ter consciência da genitália e das diferenças entre os sexos, o que a leva a começar um processo de busca de compreensão dos papéis feminino e masculino. E na fase pré-escolar? Para os psicanalistas, neste período a criança encontra-se no estágio fálico do desenvolvimento psicossexual. Entre três e cinco anos, a libido está voltada à região genital. Não raras vezes, observam-se comportamentos naturais às dúvidas e descobertas em relação ao próprio corpo, como a masturbação e a ansiedade em relação a ferimentos.
Erik Erikson trouxe uma importante contribuição para os estudos psicanalíticos sobre a criança em fase pré-escolar ao propor que nesse período o grande desafio está no desenvolvimento do senso de iniciativa. Nessa fase, a criança parece dotada de uma energia interminável, que é extravasada principalmente através do brincar e de atividades motoras (correr, pular, subir, descer etc.). A criança estará aprendendo também como funciona o mundo social e como ela funciona dentro dele. A confiança na sua própria capacidade de iniciativa, para Erikson, está bastante associada à criatividade e ao desempenho de tarefas na idade adulta. Neste período de intensa atividade imaginativa, o mundo de fantasias parece sobressair-se em relação à realidade.
Aos quatro anos, a criança é extremamente curiosa, costuma perguntar tudo. Essa é a famosa fase dos “porquês”, e é nesse momento que começa a elaborar melhor a linguagem, começa a ter preferências no seu vestir e no arrumar dos cabelos, está sempre disposta a brincar e realiza pequenas missões. No período dos cinco aos seis anos, a criança já consegue se movimentar com confiança para todas as direções, o que evidencia uma real ampliação de suas capacidades motoras. A utilização da linguagem já é eficiente, a criança sente orgulho de suas realizações e, algumas vezes, vergonha de seus erros. Sua memória esta em pleno desenvolvimento. Neste momento, já possui habilidades sociais para praticar esportes jogos e frequentar a pré-escola.
Em relação ao desenvolvimento cognitivo, Jean Piaget postulou que, nesse período, a criança encontra-se no estágio pré-operatório, ou seja: torna-se mais sofisticada no uso do pensamento simbólico e da linguagem, mas, apesar disso, ainda não é plenamente capaz de pensar logicamente e de compreender operações como, por exemplo, a reversibilidade. Neste estágio, principalmente no começo do período, é marcante o egocentrismo do seu pensamento. Um exemplo disso está na tendência a pensar que cada um de seus pensamentos é comum a todas as outras pessoas, e que podem sempre ser compreendidos.
Como pode ser visto, a idade pré-escolar caracteriza-se por um intenso desenvolvimento das habilidades cognitivas, motoras e sociais. A habilidade crescente de agir sobre o mundo traz consequências psicológicas pra criança: ao passo que melhora seu teste de realidade, vê nas capacidades verbais uma maneira de solucionar problemas e cooperar com os outros, o que resultará num avanço significativo da sua autonomia e autossuficiência.

Referências:

BEE, Helen. A criança em desenvolvimento. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

EIZIRIK, Cláudio Laks; KAPCZINSKI, Flávio; BASSOLS, Ana Margareth Siqueira (Orgs.). O ciclo da vida humana: uma perspectiva psicodinâmica. Porto Alegre: Artmed, 2001.

SHAFFER, David R. Psicologia do desenvolvimento. São Paulo: Thomson Pioneira, 2005.

Supervisão: Profª Draª Daniela Delias de Sousa

Nenhum comentário:

Postar um comentário